Editar página
Editor fonte
Login.png Você se esqueceu de fazer o login? Um nome de usuário o ajudará a vigiar suas contribuições e a comunicar-se com outros usuários. Se você não fizer o login, o seu endereço IP irá aparecer no histórico do artigo.


A edição pôde ser desfeita. Por gentileza, verifique o comparativo a seguir para se certificar de que é isto que deseja fazer, salvando as alterações após ter terminado de revisá-las.

Revisão atual Seu texto
Linha 13: Linha 13:
 
Os protestantes não incluem em suas Bíblias os sete livros deuterocanônicos do Antigo Testamento. O Concílio de Trento, em 1546 d.C., estabelece, contudo, que esses sete livros são inspirados.
 
Os protestantes não incluem em suas Bíblias os sete livros deuterocanônicos do Antigo Testamento. O Concílio de Trento, em 1546 d.C., estabelece, contudo, que esses sete livros são inspirados.
   
Nos mais antigos escritos patrísticos são citados os deuterocanônicos como Escritura Sagrada: Clemente Romano (em cerca de 95), na epístola aos Coríntios, recorre a Judite, Sabedoria, fragmentos de Daniel, Tobias e Eclesiático; o Pastor de Hermas, em 140, faz amplo uso do Eclesiástico e do 2 Macabeus (cf. Semelhanças 5,3.8; Mandamentos 1,1...); Hipólito (+235) comenta o livro de Daniel com os fragmentos deuterocanônicos; cita como Escritura Sagrada Sabedoria, Baruc e utiliza Tobias e 1 e 2 Macabeus. Tais livros eram contidos na [[Septuaginta]] e também foram alvo de dúvidas por parte de patriarcas, como Orígines e Atanásio, que eram de Alexandria, e por Jerônimo. Contudo o cânon mencionado por Atanásio admitia, ao menos, Baruc como um livro que fazia parte do livro de Jeremias. Já Agostinho de Hipona, não desprezava o cânon de Cartago IV.
+
Nos mais antigos escritos patrísticos são citados os deuterocanônicos como Escritura Sagrada: Clemente Romano (em cerca de 95), na epístola aos Coríntios, recorre a Judite, Sabedoria, fragmentos de Daniel, Tobias e Eclesiático; o Pastor de Hermas, em 140, faz amplo uso do Eclesiástico e do 2 Macabeus (cf. Semelhanças 5,3.8; Mandamentos 1,1...); Hipólito (+235) comenta o livro de Daniel com os fragmentos deuterocanônicos; cita como Escritura Sagrada Sabedoria, Baruc e utiliza Tobias e 1 e 2 Macabeus. Tais livros eram contidos na [[Septuaginta]] e também foram alvo de dúvidas por parte de patriarcas, como Orígines e Atanásio, que eram de Alexandria, e por Jerônimo. Contudo o cânon mencionado por Atanásio admitia, ao menos, Baruc como um livro que fazia parte do livro de Jeremias. Já Agostinho de Hipona, não desprezava o cânon de Cartago IV.
   
 
== Ver também ==
 
== Ver também ==

Observe que todas as contribuições para o Cristianismo Wiki são consideradas como lançadas sob CC-BY-SA

Cancelar Ajuda de edição (abre numa nova janela)
Abaixo estão alguns dos códigos Wiki comumente usados. Basta clicar no que você quer usar e ela vai aparecer na caixa de edição acima.

Veja esta predefinição.

Predefinição usada nesta página: