Preguiça é a inatividade de uma pessoa, aversão a qualquer tipo de trabalho ou esforço físico. Também é um tipo de procrastinação.

Visão Bíblica[editar | editar código-fonte]

A Igreja Católica apresenta a preguiça como um dos Sete Pecados Capitais, caracterizado pela pessoa que vive em estado de falta de capricho, de esmero, de empenho, em negligência, desleixo, morosidade, lentidão e moleza, de causa orgânica ou psíquica, que a leva à inatividade acentuada. Aversão ao trabalho, freqüentemente associada ao ócio, vadiagem.

Na Bíblia Sagrada não há registro destes 7 Pecados, no entanto traz várias orientações para evitar a preguiça, principalmente no livro de Provérbios.

Visão psicológica[editar | editar código-fonte]

Um preguiçoso para a psicologia é uma pessoa sem resistência moral e psicológica para os desafios impostos pela vida. Que busca justificativas sempre externas para a sua falta de ação naqueles momentos decisivos que lhe surgem.

Ao compreender-se incapacitado - pela própria preguiça - de conseguir aquilo que deseja, pode ocorrer ao preguiçoso o sentimento de inveja, culpando os outros pela sua própria inércia, mesmo sendo ele aquele que foge das oportunidades de aprendizado apresentadas pela vida.

É justamente o ressentimento que assola o preguiçoso que dificulta o seu esclarecimento. Os apelos da família ou pessoas próximas para o seu melhoramento, principalmente se vierem na forma de cobrança, podem gerar - devido ao ressentimento - mais raiva e desejo de destruir tudo aquilo que lhe aparente querer retira-lo deste estado de inação. Segundo Joanna de Ângelis, no livro citado na bibliografia, "o paciente, nesse caso, prefere ser lamentado a receber amor".

Aquele que sofre de preguiça pode em alguns momentos recuperar a lucidez e desejar ter força para não mais sofrer deste mal. No entanto, é comum o sentimento de decepção quando se dá conta de que ainda não possui estabilidade emocional para empreender suas próprias conquistas. Nesta situação, o enfermo desanimado pode reforçar a sua crença na impossibilidade de cura, aumentando o seu ressentimento e a sua incapacidade de reerguer-se por si só.

Existem pesquisadores que indicam que a "cura" da preguiça inicia quando a própria pessoa passa a se sentir constrangida pela situação de inação em que se encontra, desejando para si uma vida mais saudável e um convívio mais harmônico com as demais pessoas. Nesta etapa é importante que o enfermo se desvencilhe da imagem de preguiçoso que criou em torno de si, convencendo-se das suas próprias capacidades e aptidões.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ângelis, Joanna de. Conflitos Existenciais, 2005, pg. 27-37.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Links[editar | editar código-fonte]



45px-Smallwikipedialogo.png Este artigo utiliza material oriundo da Wikipédia. O artigo original está em Preguiça. A relação dos autores originais pode ser vista no histórico do artigo. Assim como acontece com a Cristianismo Wiki, o texto da Wikipédia encontra-se debaixo da Licença de Documentação Livre GNU.
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.